Desleixo ou preciosismo? Flamengo perde muitos gols

Logo: Jogada10

Jogada10

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fjogada10.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F06%2F51252989100_9707e7eaa3_c.jpg&q=25&w=1080

O Flamengo garantiu vaga na próxima fase da Copa do Brasil, ao derrotar, sem problema algum, o Coritiba por 2 a 0. O que preocupa, de fato, é a quantidade de chances que o time carioca perde, por desleixo ou preciosismo, mas a possibilidade disso acontecer quando bolas nas redes contrárias forem necessárias. O Rubro-Negro vem enfrentando adversários muito frágeis. E pode estranhar em compromissos complicados.

O Coritiba, precisando de pelo menos um gol, saiu em busca do ataque, e até conseguiu, nos primeiros minutos. Mas aos poucos o Flamengo tomou conta da partida, desperdiçando um punhado de oportunidades, a mais evidente com Rodrigo Muniz, que chutou para fora. Mas o volume era tão intenso, e a diferença técnica tão grande, que Gérson, aos 26 minutos, em jogada pessoal, levantou para Vitinho, de cabeça, abrir o placar. Nada muito distinto do que ocorreu no Alto da Glória, faz uma semana.

Na realidade, uma reação do Coritiba só continuaria de pé porque no futebol, como é sabido, tudo é possível. Nada além. O time do Paraná começou a etapa final com três mudanças, renovando a esperança de obter o milagre, e teve a favor até um pênalti, de Vitinho em Dalberto, que o árbitro ignorou. Mas tudo voltou ao normal. O Flamengo com a bola, e o adversário correndo atrás, e aquela impressão de outro gol rubro-negro, que surgiu enfim aos 20 minutos, em ótimo passe de Matheus França para Bruno Henrique.

Daí em diante, o Flamengo fez um punhado de substituições, e aguardou o fim, e como ocorreu desde o início, com a posse da bola. Na prática, o time carioca resolveu com alguma facilidade e o compromisso não foi além de mera formalidade.

Saiba mais sobre o veículo