Dorival Júnior apoia Neymar e Gabigol no ataque da Seleção: "Eles se completam"

Logo: Stats Perform

Stats Perform

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fimages.performgroup.com%2Fdi%2Flibrary%2Fdazneditorialimages%2F3%2F7e%2Fgabigol-e-neymar-brasil-x-venezuela-copa-america-13062021_gabigol_e_neymar_brasil_x_venezuela_copa_america_13062021_1qk4i1h6dgtiz1xfi7jkuyw1is.jpg%3Ft%3D627906362&q=25&w=1080

O técnico Dorival Júnior aprova a dupla de ataque da Seleção formada por Neymar e Gabigol. No Santos, ele trabalhou com os dois jogadores.

"Você vê os dois atuando agora juntos. Tiveram algumas oportunidades, jogaram juntos nas Olimpíadas. São jogadores de altíssimo nível. Eles se completam, se procuram, têm uma identidade própria. São jogadores que, se preparados e condicionados principalmente emocionalmente, poderão ajudar a trazer um novo título ao país", disse, em entrevista exclusiva à Goal.

Em 2010, Dorival comandou o time santista campeão Paulista e da Copa do Brasil que encantou o país e marcou o primeiro grande passe na carreira do hoje astro do Paris Saint-Germain. Depois, em 2015 e 2016, trabalhou com Gabigol no time vice-campeão da Copa do Brasil até a venda do atacante para a Inter de Milão.

"O Gabriel vive um momento único da carreira. Havia vivido isso em 2016 quando foi vendido, era um momento especial no Santos. Lembro quando cheguei o Gabriel era muito contestado e coloquei na primeira partida como titular. Ele já saiu fazendo dois gols se não me engano contra o Joinville. Aquilo deu uma alavancada na carreira. O Santos de 2010 não foi diferente. O Neymar e Ganso não eram titulares, e eu havia dito que montaria o time em cima dos dois jogadores. Foi aquele time que todos lembram muito bem. Poucos times no futebol vão atingir aquele nível", lembrou.

Ao ser perguntado sobre se a dupla poderia formar o ataque da Seleção na Copa do Mundo de 2022, no Qatar, Dorival elogiou o momento de atacantes do futebol brasileiro. Ele citou Pedro, Bruno Henrique (Flamengo), Firmino (Liverpool) e Gabriel Jesus (Manchester City).

"Por que não ter Gabriel e Neymar juntos? Eu não vejo problema nenhum. Agora, lógico é uma dor de cabeça ótima para o Tite. Eu queria ter essa dor de cabeça (risos)".