📹 Histórico! Joan Gaspart lembra contratação de Ronaldo pelo Barça

Logo: OneFootball

OneFootball

Alexandre Fernandes

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fwp-images.onefootball.com%2Fwp-content%2Fuploads%2Fsites%2F13%2F2021%2F02%2Fimago0001009635h-1000x686.jpg&q=25&w=1080

Em julho de 1996, Ronaldinho, já campeão do mundo com o Brasil, mas que viria a ganhar o apelido de “Fenômeno” alguns anos depois, deixou o PSV e assinou contrato com o Barcelona.

A negociação, concluída com o pagamento de 15 milhões de dólares pelos catalães aos holandeses, no entanto, não foi fácil. Mas a complexidade não teve nada a ver com o alto valor para a época.

Os grandes problemas do Barcelona eram o prazo final para a conclusão do negócio e uma verdadeira fortaleza montada pela Seleção Brasileira, que, naquele momento, treinava nos Estados Unidos.

Em entrevista exclusiva ao OneFootball, Joan Gaspart, que foi presidente do Barcelona entre 2000 e 2003, mas esteve envolvido diretamente na negociação com o Fenômeno, relembrou como foi a operação inacreditável em Miami.

“Eu diria que a negociação com o Ronaldo (foi a operação mais espetacular). Ter que se vestir como garçom para contratar um jogador não é muito normal. Você está em Miami, fecha o acordo com o agente do jogador, sabe que o Ronaldo concorda em assinar, mas que há um prazo (do PSV) em que, se ele não assinar, não vem”.

“A única possibilidade de chegar a um quarto e poder entrar, mesmo que o segurança não permitisse, é levar uma bandeja, uma coca-cola e vestir-se de garçom. Então, peguei o elevador até o andar dos jogadores, disse ao segurança que o quarto, onde sabia que o Ronaldo estava, havia pedido um refrigerante. No quarto, eu expliquei ao Ronaldo, ele entendeu e assinou o contrato. Voltei com a assinatura escondida na camisa, a coca-cola ficou no quarto, e entrei no elevador para que o segurança não suspeitasse”.

“No dia seguinte, apresentei o contrato publicamente à imprensa. Claro que isso foi um desgosto para o responsável pela concentração da Seleção Brasileira, que não gostou nada que eu tenha conseguido”.


Foto: Imago/Miguelez Sports Foto