Neo Química Arena: Corinthians e Caixa pedem suspensão de processo judicial pela sétima vez

Logo: Meu Timão

Meu Timão

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fcdn.meutimao.com.br%2F_upload%2Fnoticia%2F2021%2F06%2F16%2Fcorinthians-e-caixa-economica-federal-pediram-7r941w.jpg&q=25&w=1080

A Caixa Econômica Federal e a Arena Itaquera S.A., empresa responsável pela administração financeira da Neo Química Arena, apresentaram mais um pedido de adiamento do acordo que está sendo buscado entre as partes. E o pedido foi acatado pelo juiz federal Victorio Giuzio Neto. O Meu Timão teve acesso ao documento.

O pedido de ambos os departamentos jurídicos foi para uma suspensão de mais 60 dias da execução proposta pelo banco estatal. O objetivo é de que as partes busquem consenso e um acordo amigável da dívida de R$ 536.092.853,27 (Timão quer pagar R$ 470 milhões).

"Suspendo os autos pelo prazo suplementar de 60 (sessenta) dias para tratativa das partes com vistas à composição amigável", despachou Victorio Giuzio Neto.

O pedido de adiamento deferido pelo juiz federal é o sétimo do banco e do fundo de investimento em conjunto. As solicitações anteriores aconteceram em dezembro de 2019, fevereiro, julho, agosto e novembro de 2020 e, mais recente, março de 2021. Até agora todas foram atendidas pela Justiça.

Vale lembrar que esse acordo entre Corinthians e Caixa foi assunto antes da eleição presidencial do clube. Por meio do GloboEsporte.com, o torcedor soube de um possível acordo entre clube e banco que, por enquanto, é apenas uma possibilidade. Não há nada preto no branco.

Em tempo: o mesmo acontece com a finalização da dívida com a Odebrecht, que ainda precisa ser homologada pela construtora. Como mostrado recorrentemente pelo Meu Timão, as reuniões dos acionistas tambem têm sido adiadas.

Saiba mais sobre o veículo