👀 RJ em baixa: Brasileiro 2021 deve ter mais gaúchos do que cariocas

Logo: OneFootball

OneFootball

Ian Chicharo Gastim

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fwp-images.onefootball.com%2Fwp-content%2Fuploads%2Fsites%2F13%2F2021%2F02%2F2020-Brasileirao-Series-A-Vasco-v-Botafogo-Play-Behind-Closed-Doors-Amidst-the-Coronavirus-COVID-19-Pandemic-1614184526-1000x667.jpg&q=25&w=1080

Apesar de o Flamengo ser uma das principais forças do país, podendo levantar mais um caneco do Brasileirão nesta quinta-feira (25), o futebol carioca, como um todo, vem perdendo relevância no cenário nacional.

Enquanto apenas um grande consegue disputar (e vencer) títulos, Fluminense, Botafogo e Vasco, afundados em dívidas, vivem um histórico amargo na era dos pontos corridos do Campeonato Brasileiro.

Venha com a gente agora para entender um pouco do buraco onde o futebol do Rio se meteu. 👇


RJ < RS 👀

Se o “milagre” não acontecer e o Vasco for fazer companhia ao Botafogo na Série B de 2021, como tudo indica, o futebol carioca. terá uma situação inédita na história dos pontos corridos, com apenas dois representantes: Flamengo e Fluminense.

Serão menos clubes, por exemplo, que o estado do Rio Grande do Sul, que contará com Grêmio, Inter e Juventude no próximo Brasileirão.

O Rio de Janeiro entrará em “igualdade” de times com o Ceará – com Fortaleza e Ceará – e de Minas Gerais – que apesar de o Cruzeiro não ter subido, o América-MG conseguiu o acesso.


Terreno hostil na Série A 😬

Com os seguidos rebaixamentos e campanhas pífias de Fluminense, Vasco e Botafogo, o Estado do Rio já se acostumou a não ter os quatro grandes cariocas na ponta da tabela, ou até mesmo jogando juntos a Série A.

E é bom lembrar, para quem tem memória curta, que o próprio Flamengo, o bicho-papão do futebol brasileiro desde 2019, é um fenômeno recente nos pontos corridos.

Tirando 2009, quando um improvável time Rubro-Negro conquistou o Brasileirão, sob a batuta de Adriano Imperador e Petkovic, e 2018, quando foi vice-campeão, o Fla não costumava brigar pelo título.

O rival Fluminense até venceu duas edições do campeonato, em 2010 e 2012, mas quase sempre disputa mesmo para não cair no Brasileirão.

O clube chegou até a ser rebaixado em 2013, mas acabou salvo pelo “caso Heverton” da Portuguesa, o que mostra que a conquista da vaga na Libertadores de 2021 é mais um acidente do que a regra.

Botafogo e Vasco, por sua vez, passam longe das primeiras colocações do Brasileirão, desde as primeiras edições dos pontos corridos.

Apenas em 2013, o Alvinegro fez uma campanha de destaque, chegando em 4º, com o ídolo Seedorf em campo. Desde o início dos pontos corridos, foram dois rebaixamentos – 2014 e 2020 (2002 foi o último ano do Brasileirão em mata-mata).

Já o Vasco conseguiu um vice-campeonato em 2011, mas acumula três quedas desde 2003 (2008, 2013 e 2015), estando encaminhado para a quarta.


Campanha não pode iludir 😢

Se o Flamengo arrumou as contas e se reergueu desde a gestão de Eduardo Bandeira de Melo, Fluminense, Vasco e Botafogo andam capengando financeiramente.

O Tricolor ainda conseguiu uma vaga na Libertadores neste Brasileirão, mas a boa campanha, que vai garantir um orçamento maior na próxima temporada, não pode iludir a torcida.

O clube tem uma dívida na casa dos 700 milhões e é incapaz de fazer dinheiro com as joias e mais joias que saem da fábrica de Xerém.

Marcos Paulo foi o último a sair praticamente de graça, mas a lista de jogadores, que deixaram o clube sem dar retorno financeiro relevante, é extensa, com nomes como Thiago Silva, Marcelo, Gustavo Scarpa, Richarlison, João Pedro…


Vasco e Bota cavando o poço? 😱

Vasco e Botafogo ainda conseguem estar mais afundados que o Fluminense. Rebaixado por antecipação, o time de General Severiano teve uma queda muito mais amarga em 2020 do que em 2002 e 2014.

Em 2002, a dívida do clube rondava R$ 100 milhões. Em 2014, R$ 845 milhões, mas em 2021 já está na casa de R$ 1 bilhão de reais.

O cenário que já era ruim, vai ficar pior ainda, pois as receitas botafoguenses vão despencar na próxima temporada.

Nos últimos anos, o clube tinha uma média de arrecadação de R$ 180 milhões por temporada, com cerca de R$ 100 milhões vindo dos direitos de transmissão.

Com a queda para a Série B e o fim da “cláusula paraquedas”, que permitia aos times grandes a manutenção da cota de TV na primeira temporada fora da elite, o Botafogo perderá um caminhão de dinheiro.

Na elite, o clube faturava cerca de R$ 70 milhões. Na Série B, terá direito a R$ 6 milhões e, sem a perspectiva de aprovar o clube-empresa, que, para muitos, seria a solução da crise financeira no clube, o futuro é cinzento.

Já o Vasco, que tem uma dívida de R$ 720 milhões, vai passar pela mesma situação do rival alvinegro, com receitas de TV despencando na próxima temporada, pois o rebaixamento é praticamente inevitável.

E aí, será que algum dia vamos ver de novo os quatro grandes do Rio brigando por coisas maiores no Brasileirão?


Foto de destaque: Buda Mendes/Getty Images