Tite relembra eliminação para Bélgica e momentos difíceis com a Seleção Brasileira

Logo: Gazeta Esportiva.com

Gazeta Esportiva.com

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fwww.gazetaesportiva.com%2Fwp-content%2Fuploads%2Fimagem%2F2021%2F06%2F16%2F51230488204_a4b62ff97e_o-scaled.jpg&q=25&w=1080

Contratado em 2016, Tite já passou por diversos momentos com a Seleção Brasileira. Logo que assumiu o comando, a equipe emplacou uma série de resultados positivos e chegou para a Copa do Mundo com muita confiança. No Mundial, no entanto, o Brasil não conseguiu corresponder às expectativas e foi eliminado ainda nas quartas de final, para a Bélgica.

Nesta quarta-feira, em entrevista coletiva, o comandante relembrou a sua trajetória no comando da Amarelinha e destacou alguns momentos que trouxeram dificuldades, como a contusão do Renato Augusto meses antes da Copa. O meia era um dos principais destaques do time, mas não chegou ao torneio 100%.

“São muitas etapas e a amostragem é longa. Logo que a gente assumiu, conseguimos ajustar a equipe e ela cresceu de uma forma que eu não imaginava. Teve um momento de oscilação, principalmente com a lesão do Renato Augusto, e não conseguimos ajustar aquele mecanismo. E no momento que estávamos recuperando o futebol, perdemos e fomos eliminados para a Bélgica. Perdemos para uma grande seleção”, disse.

No ano seguinte, na disputa da Copa América, a história se repetiu, agora com a baixa do Neymar. Dessa vez, no entanto, a Seleção conseguiu terminar a competição com o caneco nas mãos.

“Na sequência fizemos amistosos, com oscilações e críticas que eram corretas. Retomamos na Copa América, é muito difícil perder um jogador como o Neymar e ser campeão. E na sequência, uma reestruturação”, completou.

Agora, o Brasil passa por uma nova reformulação, como destacou o auxiliar Cléber Xavier.

“Houve uma renovação da Copa do Mundo para a Copa América de 40%, portanto uma renovação grande. E hoje, neste grupo, dos 24, nove com idade olímpica. Existe uma renovação e faz parte do trabalho, do ciclo de uma Copa até outra, buscar novas estratégias e desenhos, dando oportunidades para chegarmos fortes”, disse.

Saiba mais sobre o veículo