Contra um desfalcado PSG, o Lille manteve seu embalo e se sagrou campeão na Supercopa da França

Logo: Trivela

Trivela

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fi0.wp.com%2Ftrivela.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F08%2Flille.png%3Ffit%3D1181%252C641%26ssl%3D1&q=25&w=1080

O Lille abriu oficialmente a temporada 2021/22 na França com mais um troféu. Neste domingo, os atuais campeões da Ligue 1 encararam o Paris Saint-Germain na Supercopa da França e celebraram o triunfo por 1 a 0. Os parisienses não contaram com vários de seus astros na partida realizada no Estádio Bloomfield, em Tel Aviv. Não é isso, contudo, que tira os méritos dos Dogues na noite. O Lille apresentou um futebol mais efetivo e contou com um golaço do português Xeka para definir o marcador. Também foi importante o goleiro Léo Jardim, revelado pelo Grêmio, que substitui Mike Maignan após a venda do antigo titular ao Milan.

O Paris Saint-Germain tinha vários desfalques importantes. Dos novos contratados, Sergio Ramos (lesionado) e Gianluigi Donnarumma (de férias) ainda não pintaram na equipe, apenas com Achraf Hakimi entre os titulares e Georginio Wijnaldum saindo do banco. Além disso, nomes como Kylian Mbappé, Ángel Di María, Leandro Paredes, Marco Verratti, Neymar e Marquinhos eram outras ausências. Mauro Icardi e Keylor Navas surgiam como as figuras principais, em meio a diversos garotos.

Já o Lille tinha uma equipe mais próxima da que conquistou a Ligue 1, embora sem contar mais com os negociados Mike Maignan e Boubakary Soumaré, além do técnico Christophe Galtier, que seguiu para o Nice. Em compensação, vários destaques pintavam entre os titulares – como Burak Yilmaz, Jonathan David, Benjamin André e Sven Botman. Os brasileiros Léo Jardim e Luiz Araújo estavam no 11 inicial, na estreia oficial do técnico Jocelyn Gourvennec.

O Lille começou a partida pronto para referendar sua força e botou pressão no PSG. Yilmaz travou um duelo particular com Keylor Navas, que conseguiu salvar os parisienses. Do outro lado, Léo Jardim também manteve a segurança na meta dos Dogues, com uma grande defesa em pancada de Julian Draxler. Depois, o arqueiro também evitaria o tento de Hakimi num cruzamento fechado. As intervenções foram importantes para que o Lille saísse em vantagem aos 45 do segundo tempo. E foi um golaço de Xeka. Yilmaz passou ao meio-campista, que ajeitou na entrada da área e lançou um míssil, que saiu do alcance de Navas rumo ao ângulo.

Durante o segundo tempo, o PSG tentou responder. O empate poderia ter saído aos 12 minutos, mas Abdou Diallo desperdiçou uma cabeçada livre na pequena área. E mesmo que o Lille apostasse nos contragolpes, Yilmaz não dificultaria tanto a Navas quando arriscou de longe aos 18. O personagem da segunda etapa foi mesmo Léo Jardim. O brasileiro deu sorte num gol anulado de Icardi por impedimento, antes de operar uma série de intervenções no fim. Seu maior momento aconteceu com uma defesaça em arremate de Diallo. Mesmo quando saiu errado, o arqueiro se safou. Deu sua contribuição ao título.

Esta foi a terceira vez que o Lille disputou a Supercopa da França, com duas derrotas nas participações anteriores. Agora, desfruta o título inédito. Já o PSG levou a taça 10 vezes em 15 oportunidades e permanece como maior vencedor do certame. No próximo final de semana, os dois clubes iniciam sua empreitada na Ligue 1. Os parisienses começam a jornada contra o recém-promovido Troyes no sábado, enquanto os Dogues visitam o Metz no domingo.

Mencionados neste artigo
Saiba mais sobre o veículo